Article

lock Open Access lock Peer-Reviewed

0

Views

CARTAS

Cartas ao Editor

Fabiano Gonçalves Jucá; Mamede Johnson Aquino Filho

DOI: 10.5935/1678-9741.20120027

Cardiopatias congênitas no interior do Nordeste brasileiro: dificuldades e soluções

Caro Editor,

Tendo nesses últimos 10 anos de minha vida profissional trabalhado no interior do Nordeste, inicialmente em Barbalha-CE, Mossoró-RN e, atualmente, Sobral-CE, gostaria de apresentar as dificuldades encontradas até aqui em se conseguir desenvolver um serviço de cardiopatia congênita. A principal dificuldade é a contratualização junto à fonte pagadora por 99% de nosso movimento cirúrgico, o SUS, e sua gestão. Até começamos a operar crianças recémnascidas, implementamos o serviço com ambulatório, fisioterapia, cardiologista pediátrica e anestesia, material adequado, mas quando começamos, depois de poucos meses, veio uma redistribuição dos recursos financeiros das Secretarias de Saúde, e a parte pediátrica coube aos hospitais da capital.

Mas como? Distávamos mais de 500 km, no primeiro caso, e 300 km, no segundo e terceiro municípios. Como fazer pessoas carentes, que mal tinham onde morar e alimentar-se em sua terra natal, deslocar-se para capital e esperar nas longas filas dos hospitais públicos por uma vaga? O que fizemos? Continuamos nosso atendimento, não desmobilizamos nosso grupo e continuamos operando os maiores de 12 anos, contemplados pela contratualização, e os mais jovens conseguiam tratamento por meio de contatos pessoais com grupos da capital, que por conta das dificuldades, montavam organizações sociais e casas de apoio para retaguarda desse atendimento.

Bem ou mal, conseguíamos ir adiante, ora operando pacientes mais urgentes e recebendo administrativamente, ora encaminhando para os Serviços na capital. Porém, essas estruturas de apoio, hospitais privados que atendiam ao SUS, não conseguiram sobreviver aos atrasos e descasos com a saúde, agora temos uma nova dificuldade, mas não vamos desistir. Nosso Serviço tem aumentado, a interiorização da Medicina é uma realidade com os egressos das primeiras turmas das Faculdades de Medicina retornando depois de Estágios e Residências juntando-se às fileiras para continuarmos a prestar o melhor atendimento possível às crianças portadoras de cardiopatias congênitas [1-3].

 

Fabiano Gonçalves Jucá, Mamede Johnson Aquino Filho- Sobral, CE

REFERÊNCIAS

1. Pinto Jr. VC, Daher CV, Sallum FS, Jatene MB, Croti UA. Situação das cirurgias cardíacas congênitas no Brasil. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2004;19(2):III-IV.

2. Maluf MA, Franzone M, Melgar E, Hernandez A, Perez R. A cirurgia cardíaca pediátrica como atividade filantrópica no país e missão humanitária no exterior. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2009;24(3):VIII-X. Visualizar artigo

3 . Croti UA, Mattos SS, Pinto Jr. VC, Aiello VD . Cardiologia e cirurgia cardiovascular pediátrica . São Paulo : Editora Roca ; 2008 .

CCBY All scientific articles published at rbccv.org.br are licensed under a Creative Commons license

Indexes

All rights reserved 2017 / © 2023 Brazilian Society of Cardiovascular Surgery DEVELOPMENT BY