Article

lock Open Access lock Peer-Reviewed

3

Views

ARTIGO ORIGINAL

Análise da estimulação cardíaca artificial atrioventricular universal (DDD) em comparação à ventricular (VVI): estudo multicêntrico

Roberto V. Ardito; Osvaldo T GrecoI; Domingo M BraileI; Paulo R BrofmanII; Ricardo EloyIII; Rubens MinilloIV; Dirceu O Faelli JrIV; Aldo PesariniV; Rubens T BarrosVI; José Carlos S AndradeVII

DOI: 10.1590/S0102-76381986000200003

RESUMO

Este trabalho analisa, em nosso meio, através das avaliações radiológica, cicloergométrica, ecocardiográfica e também na eletrocardiografia dinâmica (Holter), o desempenho da estimulação DDD em relação à VVI. Para isso, foi elaborado um estudo, do qual participaram 7 grandes Centros que implantam marcapasso no Brasil. No material estudado, não se notou diferença significativa entre a estimulação DDD e a estimulação VVI no paciente. Também não houve diferença quando se consideraram os pacientes chagásicos e não chagásicos.

ABSTRACT

This paper documents, through radiological, stress test, echocardiography and Holter monitor, the effect of DDD and VVI stimulation. Seven Centers with large experience in pacemakers contributed cases. We didn't notice significant differences between DDD and VVI stimulation in the patients studied and in Chagas or non-Chagas disease.
Texto completo disponível apenas em PDF.



Discussão

DR. PAULO GAUCH
Sâo Paulo, SP

Desejo agradecer à Comissão Organizadora do 13? Congresso Nacional de Cirurgia Cardíaca a indicação do meu nome como comentador oficial deste trabalho. Os resultados obtidos neste estudo multicêntrico não diferem do que pensamos em relação às vantagens ou benefícios de estimulação DDD em relação à VVI. Baseados na apresentação do Dr. Ardito, observamos que 37% dos pacientes se beneficiaram com a estimulação DDD, em comparação à VVI. No entanto, 63% não obtiveram benefícios significativos com o tipo de estimulação de dupla câmara. A nossa meta é individualizar os pacientes que realmente se beneficiam com a estimulação DDD, classificando-os conforme a etiologia, o tipo de distúrbio da condução que induziu ao implante do marcapasso, a presença, ou não, de insuficiência cardíaca, arritmias, etc. Inúmeros trabalhos, na literatura, demonstram que o implante de marcapasso VVI devolve qualidade e quantidade de vida à grande maioria de pacientes que recebem este tipo consagrado de estimulação. No entanto, o fato de um implante de marcapasso VVI devolver ao paciente a expectativa de vida de uma população normal, não afasta a possibilidade de permanência ou persistência de sintomas. Estes sintomas podem persistir pela própria patologia de base, ou serem originados pela perda do sincronismo átrioventricular e os fenômenos decorrentes (Slide). Observamos, neste diapositivo, que os pacientes com bloqueio da condução átrioventricular, mesmo após o implante de marcapasso VVI, possuem uma porcentagem maior de sintomas decorrentes da miocardiopatia associada, enquanto que o grupo de pacientes com disfunção sinusal apresentam uma porcentagem significativa de sintomas relacionados com a síndrome do marcapasso (Slide). Portanto, no grupo de pacientes com bloqueio plante de marcapasso DDD se justificaria para meda condução átrioventricular, a indicação de imlhorar a capacidade física em pacientes jovens; nos bloqueios A-V associados à insuficiência coronária, obtendo-se a queda do consumo de oxigênio do miocárdio e nos bloqueios A-V associados e anomalias congênitas e afecções valvares, procurando-se obter melhor condição hemodinâmica no território pulmonar (Slide). Já as indicações nas disfunções sinusais são mais amplas, devendo-se, obrigatoriamente, indicar o DDD como modo de estimulação em pacientes portadores de síndrome do marcapasso; na doença intrínseca do nó sinusal associada a distúrbios da condução A-V e presença de condução retrógrada, e na forma cárdio-inibitória da hipersensibilidade do seio carotídeo pelo alto risco de bloqueios da condução A-V e alta incidência de condução retrógrada associada (Slide). Concluímos nosso comentário salientando que a estimulação DDD pode trazer benefícios para grupos selecionados de pacientes, devendo-se, por outro lado, evitar-se o seu uso indiscriminado, visto que os benefícios da estimulação VVI satisfazem a maioria dos pacientes.

DR. ARDITO
(Encerrando)

Gostaria de agradecer ao Dr. Paulo Gauch, pelos comentários, e salientar que o marcapasso DDD deve ser colocado em pacientes que apresentem uma boa resposta atrial ao esforço, com implemento de freqüência, e ai teríamos a situação ideal, com o sincronismo átrioventricular. Outro fato importante que devemos frizar é que o paciente não chagásico tem as mesmas manifestações de resposta ao marcapasso que o paciente chagásico. Quero deixar, aqui, mais uma vez, aos meus colegas que colaboraram com este estudo multicêntrico, os agradecimentos em nome de todos e, ao Dr. Naim Savaia, pela orientação estatística.

REFERÊNCIAS

1. ALT, E.; KRIEG, J.; VÖLKER, R. - Long term results in 127 patients with physiological pacemakers (phPM). PACE, 8:A-35, 1985.

2. DODINOT, B - Dual chamber pacing modes in cardiac pacing. In: Proceedings of the XII World Symposium on Cardiac Pacing. Viena, maio 1983. p. 449.

3. GODIN, J. F.; POTIRON-JOSSE, M.; LE MAREC, H.; LOUVET, S.; L'HÉNAFF, H. W. - Oxygen uptake during stress testing ind DDD versus VVI pacing. PACE, 8:A-34, 1985.

4. GRECO, O. T.; ARDITO, R. V.; LORGA, A. M.; RIBEIRO, R. A.; BELLINI, A. J.; BILAQUI, A.; NICOLAU, J. C.; JACOB, J. L. B.; AYOUB, J. C. A.; ANGELONI, M. A.; LIMA, E. R.; ANSELMO, E. F.; FEDOZZI, N. M.; BRAILE, D. M. - O marcapasso cardíaco artificial deve ser multiprogramável?: estudo em 931 pacientes. Arq. Bras. Cardiol., 45 (Supl. 1): 105, 1985. (Resumo) [MedLine]

5. KOURKOULAKOS, C.; GIALAFOS, J.; PARASKEVAS, P.; TSAKIRIS, M.; KREMASTINOS, D.; TOUTOUZAS, P. - Assessment of left ventricular (LV) function in ventricular and A-V pacing using systolic time intervals and thermodilution technique. PACE, 8: A-34, 1985.

6. PINTO, G. H. C.; LORGA, A. M.; AYOUB, J. A. C.; CURY, M. V. A. R.; GRECO, O. T.; NICOLAU, J. C.; JACOB, J. L. B.; ARDITO, R. V.; GARZON, S. A. C; BELLINI, A. J.; RIBEIRO, R. A.; BILAQUI, A.; BRAILE, D. M. - Marcapasso atrial transesofágico: eficácia diagnostica e terapêutica. Arq. Bras. Cardiol., 45 (Supl. 1): 107, 1985. (Resumo) [MedLine]

7. POTVIN, E. A.; GOLDMAN, B. S.; DUNCAN, J. A.; TONG, C. P.; SCHOICHET, M.; CAMERON, D. A. - Morbidity and mortality during follow-up of patients with dual chamber pacemakers. PACE. 8: A-36, 1985.

8. YAMAGATA, S.; MATSUMURA, K.; OHYAGI, K.; IKEDA, K.; ISHIGURO, T.; MATSUMOTO, K.; MATSUSHITA, T.; TAKENOSHITA, T. - An application of the dual-chamber pacemaker to a single chamber pacing: a preliminary report of VVD Mode. PACE, 8: A-36,1985.

CCBY All scientific articles published at rbccv.org.br are licensed under a Creative Commons license

Indexes

All rights reserved 2017 / © 2021 Brazilian Society of Cardiovascular Surgery DEVELOPMENT BY