Article

lock Open Access lock Peer-Reviewed

1

Views

ARTIGO ORIGINAL

Estudo multicêntrico da bioprótese porcina Labcor

Fernando A LuccheseI; João Ricardo SantanaI; Ivo A NesrallaI; Cláudio A SallesII; Carlos S FigueiroaIII; Nílcio Cunha LoboII; Dielson T SampaioII; José Wanderley NetoIII; Rita de Cássia VerasIII; Gilvan DouradoIII; Daniel TorresIII; Antônio De BiazeIII; Josalmir Melo do AmaralIII; Orlando Gomes de OliveiraIV; Jefferson ChavesIV; José Telles de MendonçaV

DOI: 10.1590/S0102-76381988000300003

RESUMO

No período de 1984-1988, foram estudados 514 pacientes, 288 do sexo feminino e 226 do sexo masculino, com idade de 36,8 ± 16,5 anos, submetidos a cirurgia cardíaca valvar com implante de bioprótese porcina Labcor. As cirurgias realizadas foram, em 64%, relativas à valva mitral, 21,5% à aórtica e 2,1 % mitral-aórtica-tricúspide. No período pré-operatório, 1,6% apresentavam-se em classe funcional (NYHA) II, 63,7% classe III e 34,7% classe IV. Após a cirurgia, 77,2% apresentavam-se em classe I, 21,5% classe II, 0,3% classe III e 1,0% classe IV. O tamanho mais utilizado foi o de número 29 (33,3%), seguido do de número 27 (21,7%) e do de número 31 (15,2%); todos os demais apresentaram freqüências inferiores a 10%. Os débitos hospitalares foram da ordem de 7,6% e os tardios, de 3,2%, sendo a letalidade total igual a 10,1 %. O coeficiente de mortalidade foi de 6,3% pacientes/ano. Os sobreviventes foram acompanhados até 4 anos, ocorrendo 13 óbitos tardios, 34% relacionados à prótese. A incidência de complicações que levaram à reoperação para substituição da prótese foi de 17 (3,6%) casos, sendo 2 por endocardite, 1 por calcificação, 4 por vazamento paravalvular e os demais, por outras causas não relacionadas à prótese. Conclui-se que a bioprótese heteróloga Labcor apresentou, no período estudado, até 4 anos de acompanhamento, baixo índice de complicações diretamente relacionadas à válvula (5 de 475 pacientes que sobreviveram à cirurgia.

ABSTRACT

Between 1984 and 1988, we studied 514 patients who underwent surgery for valve replacement using Labcor's porcine bioprosthetic valve. Two hundred and eighty-eight patients were female and 226 were male with a mean age of 36.8 ± 16.5 years. There was 64% of mitral valve replacement; 21.6% of aortic valve replacement; 2.1 % of mitral-tricuspid replacement and 0.2 of mitral-aortic-tricuspid replacement. In the pre-operatory period 1.6% of the patients were in the functional class II (NYHA); 63.7% in class III and 34.7% in class IV. After surgery 77.2% of the patients were in functional class I; 21.5% in class II; 0.3% in class III and 1% in class IV. The sizes of the bioprosthetic valve more often used were in order of frequency: 29 (33.3%); 27 (21.7%) and 31 (15.2%). There was a 7.6% incidence of hospital deaths and 3.2% of late deaths. The overall mortality was 10.1%. The mortality rate was 6.3% patients-year. There was a 4 years follow-up with 13 late deaths, 34% of them related to the bioprosthetic porcine valve. A second replacement ocurred in 17 (3.6%) cases and was due to paravalvar leaking in 4 cases, infective endocarditis in 2 cases, calcification in 1 and in 10 cases was not related to the bioprosthetic valve. Thus, the Labcor's bioprosthetic porcine valve, during the 4 year follow-up, showed a low incidence of complications (5 of 475 patients who survived surgery).
Texto completo disponível apenas em PDF.



Discussão

Dr. CAMILO ABDULMASSIH NETO
São Paulo, SP

Cumprimentando o Dr. Lucchese, pelo trabalho apresentado, quero comentar pontos que julgo fundamentais, sobre a prótese de porco e que não foram ainda mencionados neste plenário. São as disfunções ocasionadas pelas perfurações do tecido biológico, descritas na Universidade de Bethesda, por Ishihara e Ferrans, que as classificaram em 4 tipos. O 1º tipo são as lesões que envolvem a parte livre da cúspide e que ocorrem, igualmente, em posição aórtica e mitral; são microscopicamente devidas à queda do colágeno; o 2º tipo consiste numa perfuração na base da lascínia; o 3º tipo são as lesões maiores, perfurações ovais, que acontecem, também, no centro das cúspides e, às vezes, podem ser acompanhadas de infecção; o 4º tipo são pequenas lesões perfurantes associadas a depósito de cálcio e são mais comuns em posição mitral do que em posição aórtica; fato interessante é que esta lesão não acontecia na cúspide coronariana direita, nas próteses inicialmente produzidas, quando era deixada esta cúspide, que era protegida pela banda muscular; daí, podemos inferir que esta lesão é conseqüente a uma fraqueza do tecido colágeno, possivelmente, por existirem espaços na camada esponjosa deixados durante a fixação; esses espaços seriam preenchidos por elementos sangüíneos, dando início a um processo de calcificação e de degeneração. Outro ponto que nós gostaríamos de destacar é o da existência de gradientes mais significativos em tamanhos menores desta prótese. A nossa experiência, ou melhor, a do Serviço no qual trabalhamos, o Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, data de 1973, quando iniciamos com a bioprótese de dura-máter e, atualmente, usamos igual percentagem de próteses mecânicas e próteses biológicas. (Slide) Aqui, vocês observam uma perfuração central, ocorrida num paciente com apenas 2 anos de evolução. (Slide) Este slide mostra um tipo de paciente que apresentava escape paravalvular importante e que, na reoperação, obsevamos, em um ano apenas de evolução, pequenos pontos de cálcio, que, talvez, pudessem ser o início da lesão tipo 4, descrita por Ferrans. (Slide) Outro aspecto importante e que é um apanágio dessa válvula, é a endocardite por micobactérias atípicas. Nós tivemos um caso em que presenciamos a existência do Mycobacterium chelonei, que tem o porco como seu habitat. (Slide) Aqui, vocês observam a válvula com endocardite, retirada apenas 30 dias após a cirurgia; note-se a face ventricular, mostrando vegetações. Então, pela nossa experiência e da literatura, a prótese de porco nada difere das outras e apresenta a mesma susceptibilidade à falência do tecido que a de pericárdio bovino. Por estas razões, damos preferência, em posição atrioventricular, à bioprótese de pericárdio bovino e, em posição aórtica, às próteses metálicas. Muito obrigado.

Dr. PAULO BROFMAN
Curitiba, PR

Senhor presidente, senhor secretário, Dr. Lucchese, senhoras e senhores. São vários os fatores que influenciam a performance de uma prótese: a experiência do cirurgião, a experiência do cardiologista no acompanhamento do paciente, a localização anatômica, o período de acompanhamento do paciente e da prótese, o estado anatomopatológico da valva nativa e da prótese prévia, se existir. O trabalho apresentado pelo Dr. Lucchese, como sempre, é de excelente qualidade, porém peca no tempo de evolução; não se pode avaliar a performance de uma bioprótese com seguimento de até 4 anos; aceita-se, atualmente, como tempo razoável de evolução média, aproximadamente 5 anos; esse período, conforme o Dr. Lucchese já disse, serve apenas para avaliar os resultados cirúrgicos através da análise preliminar dos dados. Este trabalho, porém, tem o mérito de demonstrar a capacidade criativa no desenvolvimento e aperfeiçoamento de mais uma prótese valvular brasileira e o esforço de realizar um trabalho multicêntrico envolvendo Serviços com características geográficas e sócio-econômicasdistintase permitindo que um universo de pacientes tenha um peso fundamental, na qualidade e na especificidade do trabalho. Parabéns aos autores.

Dr. LUCCHESE
(Encerrando)

Tenho a impressão de que todas as coisas foram ditas. Devo dizer ao Dr. Camilo que apreciei muito os dados que ele trouxe e que, talvez, ainda mereçam maior estudo. Nós temos experiência, no Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, com 3 tipos de válvulas de porco: a Lifemed, a Biocor e a Labcor. A experiência maior deve estar com a Biocor, em números, inclusive com maior seguimento. Temos experiência, também, com a válvula IMC de pericárdio bovino. Bem, não me lembro que a perfuração seja um problema grande na nossa experiência, ou então, talvez nós estejamos usando, semanticamente, o nome perfuração para casos de rotura. Sem dúvida, um trabalho como este apresentado é importante e deve ser continuamente reavaliado. Sempre que um novo dispositivo entra no mercado, deve ser periodicamente avaliado quanto à qualidade do desenpenho, mesmo antes que atinja um tempo adequado. A melhor forma de se fazer isto é reunir os grupos e analisar os resultados, porque, com isto, podemos evitar algumas catástrofes. Então, a idéia final do trabalho e seu objetivo são, exatamente, demonstrar o ponto de vista preliminar de que, cirurgicamente, a prótese tem um desempenho adequado e deve ser acompanhada a longo prazo e, presumivelmente, produzir bons resultados. Agradeço ao Dr. Paulo e ao Dr. Camilo, pelos seus comentários.

REFERÊNCIAS

1. DAVILA, J. C.; MAGILLIGAN Jr., D. J.; LEWIS Jr., J. W. - Is the Hancock porcine valve the best cardiac valve substitute today? Ann. Thorac. Surg., 26(4): 303-316, 1978. [MedLine]

2. KALIL, R. A. K.; FURIAN, A.; MOREIRA, G. B.; PRATES, P. R.; LUCCHESE, A.; BERTOLETTI, V. E.; PEREIRA, E. M.; NESRALLA, I. A. - Substituição das valvas mitral e aórtica por próteses de Lillehei-Kaster: análise de 55 casos. Arq. Bras. Cardiol., 29(3): 181-184, 1976. [MedLine]

3. LUCCHESE, F. A. - Tratamento intensivo pós-operatório. Procienx, São Paulo, 1985.

4. LUCCHESE, F. A.; HALPERIN, C.; TAVARES, C. E.; SANT'ANNA, J. R.; KALIL, R. A. K.; PRATES, P. R.; LARA, R. F.; GUS, I.; BERTOLETTI, V. E.; NESRALLA, I. A. - Seguimento tardio de pacientes portadores de válvulas de dura-máter. Arq. Bras. Cardiol., 37(4): 321-324, 1981. [MedLine]

5. LUCCHESE, F. A.; SANT'ANNA, J. R.; WAGNER, E. M.; MATTOS, E. C.; KALIL, R. A. K.; PRATES, P. R.; NESRALLA, I. A. - Método atuarial na avaliação de resultados tardios em cirurgia cardíaca. Arq. Bras. Cardiol., 32(Supl. 1): 38, 1979. (Resumo). [MedLine]

6. ROBICSEK, F. & HARBOLD, N. B. - Management of the patient with a prosthetic heart valve. Ann. Thorac. Surg., 22(4): 389-399, 1979.

7. WILLIAMS, J. B.; KARP, R. B.; KIRKLIN, J. W.; KOUCHOUKOS, N. T.; PACIFICO, A. D.; ZORN Jr., G. L.; BLACKSTONE, E. H.; BROW, R. N.; PIANTADOSI, B. S. S.; BRADLEY, E. L. - Considerations in selection and management of patients undergoing valve replacement with glutaraldehyde-fixed porcine bioprostheses. Ann. Thorac. Surg., 30(3): 247-258, 1980. [MedLine]

CCBY All scientific articles published at rbccv.org.br are licensed under a Creative Commons license

Indexes

All rights reserved 2017 / © 2021 Brazilian Society of Cardiovascular Surgery DEVELOPMENT BY